29 de setembro de 2015

Telegramas GTSA

Não consegui melhorar o tempo do ano passado. STOP
Na verdade, fiz um tempo muito pior. STOP
Mais 40 minutos. STOP
Levei uma tareia. STOP
Calor. STOP
Custou muito continuar além do PAC dos 33km. STOP
Custou-me ainda mais continuar além do PAC dos 45km. STOP
Arrependi-me de ter continuado ao km 46. STOP
Vi cavalos selvagens ao km 47. STOP
Vi este mar de nuvens ao km 49. STOP


Valeu a pena. STOP

PS: Voltei com o colete de finisher. STOP

25 de setembro de 2015

GTSA - 2

Dois dias. Faltam dois (2) dias para o GTSA... Posto isto, aqui ficam as minhas rápidas reflexões:

- Não estou confiante. Até podia pôr as culpas na dor do joelho que me veio atormentar os sonhos nas últimas semanas (e espero que não se queixe na prova) mas a verdade é que a culpa é toda da baldice que foram os treinos nestes últimos dois meses. Foram os meses mais fracos do ano em termos de quilómetros, desnível, etc. Houve alguns treinos de qualidade, é certo,

Manhã. Maré baixa. Praia vazia. 7km de areal que parecia uma pista tartan.

mas na grande maioria foi uma calanzice pegada.

- Como vos tinha dito, um dos objectivos (e mais ambicioso nesta fase) era baixar das 10h. Esse objectivo passou a ser "obrigatoriedade". Este ano reduziram o tempo limite para as 10h! (Apesar de manterem o corte das 6h30 aos 33km.) Ou seja, vou (penso que pela primeira vez?) para uma prova com a preocupação real de não ficar classificada. Situação que não me agrada porque, para todos os efeitos, e mesmo muito cá para trás, não deixa de ser uma competição.

- No entanto, vou na mesma. Já estou inscrita há meses, conheço o percurso e, apesar de darem calor para domingo (nãooooo!!!!), ainda tenho alguma esperança de conseguir. Vou fazer o possível para trazer aquele colete de finisher. E, se não conseguir, pode ser que essa experiência sirva de lição e me tire do torpor que tem sido a minha motivação nos últimos tempos.

- Além disso:

Independentemente...

... do resultado...

... vai...

... valer a pena.


Ouvi dizer que a Serra d'Arga está com saudades minhas. ;) 

Até já!

17 de setembro de 2015

Os últimos treinos e as "praxes" da corrida

Já lá vão uns dias desde a última vez que "falámos" e vos anunciei a minha espécie de objectivos para Arga (para além dos habituais divertir-me e terminar bem). Desde aí, tenho treinado arduamente.

A rolar em estradões.
De forma incansável.

Olhem para ela que até já sobe escadas a correr e tudo! :D
Sem fugir às dificuldades...


A explorar a "selva".
... e à dureza.

Ãhh... Como é que esta foto veio aqui parar??!! :)

Como estava a dizer, treinei arduamente... no dia deste treino acima. De resto, tem sido um marasmo muito difícil de combater e, para piorar, durante o treino da passada sexta-feira senti uma pontada no joelho direito, que se prolongou numa moinha o resto do dia e me deixou em pânico os dias seguintes, tendo inclusive cancelado o último longuinho de fim-de-semana que tinha planeado fazer antes de Arga. Depois da lesão da ITB, em 2013, qualquer dor no joelho despoleta o alarme e prefiro não arriscar. Acabei por estar quatro dias parada, tendo feito um pequeno teste na terça-feira, de apenas 6km, para ver se já estava melhor. Hoje volto a correr um pouco mais, desejem-me sorte!

Este é o tipo de coisas que nenhum corredor gosta, mas que acontece, e temos de estar preparados para lidar com isso. Engraçado é como parece acontecer sempre na altura mais inconveniente. Neste caso, a "atleta" anuncia na internet o seu objectivo de baixar o tempo numa prova e uns dias depois começa a sentir uma dor no joelho... Claro. Já devia saber que, à boa maneira da lei de Murphy, as piores coisas acontecem sempre nas piores alturas. Aliás, quem é que já ficou doente uma semana antes de uma prova de 66km, quem foi?
No entanto, na altura acabou por correr tudo bem, e confio que agora acontecerá o mesmo.

Outras situações, engraçadas, não tão engraçadas e/ou irritantes, que fazem parte do livro de praxes da corrida e que qualquer atleta já experienciou pelo menos uma vez (as assinaladas com um asterisco já foram vividas na primeira pessoa):

- Faltam 15 segundos para a partida e o gps não apanha a porra dos satélites.*
- No dia em que se esquecem de levar hidratação para o treino, apanham uma secura desgraçada e o único bebedouro nas redondezas está avariado.
- No dia em que têm estipulado o treino mais longo do plano, vão estar 38º. À sombra.
- Pegam no carro para ir treinar num local diferente e, quando lá chegam, apercebem-se de que deixaram o gps em casa.*
- Naquele momento do treino em que não aguentam mais e decidem caminhar "durante só um bocadinho", passa alguém conhecido a correr.*
- Aquela prova em que pareciam um figurante zombie do Walking Dead? Vai estar cheia de fotógrafos.*
- Quando finalmente começam a ficar confiantes na vossa evolução, têm uma corrida horrível ou, pior (deusnoslivreeguarde), surge uma lesão.*
- Vão ter uma dor de barriga enorme e urgente quando a casa-de-banho mais próxima está a vários quilómetros de distância ou, nos trilhos, a vegetação circundante é toda rasteira.
- A semana de pico de treinos vai coincidir com a pior semana de volume e stress de trabalho dos últimos tempos.*
-No dia em que se atrasam e chegam ao local da prova já em cima da hora, notam que não levam alfinetes para o dorsal e a organização também não os oferece.*
- Quando têm vontade de fazer xixi antes de uma corrida, mas já estão no meio do pelotão prontos para a partida e acham que é só nervosismo e depois passa a vontade... Não passa.*
- Se houver possibilidade de chuvas fortes, vai acontecer quando puserem o pé fora de casa para treinar.*
- Quando dão uma queda espalhafatosa e se levantam depressa a pensar que ninguém viu. Alguém viu.*
- Fazem quase 300km para irem a uma prova e quando lá chegam apercebem-se de que se esqueceram dos ténis/outro equipamento igualmente importante.*
- Só se vão aperceber que o gps tem a bateria descarregada dois minutos antes de saírem de casa para treinar.*

Pela quantidade de asteriscos, podem reparar que sou uma pessoa que é constantemente praxada pelos deuses da corrida, os engraçadinhos... :)

E vocês? Mais alguma "praxe" a acrescentar à lista?

PS: Ah, o tal treino de 6km na terça? Primeiro treino à chuva desde há vários meses. Como é óbvio, o impermeável ficou em casa.* ;)

5 de setembro de 2015

Arga: concluir e melhorar



Quando eu morrer voltarei para buscar
Os instantes que não vivi junto do mar.
Sophia de Mello Breyner Andresen


(Já aqui disse que está a ser muito difícil dizer adeus aos treinos seguidos de mar? Porque está...)


Engraçado, às vezes, pensar na evolução das coisas. Há uns dias, sentada num café, falava de treinos longos, se seria melhor fazer um de 30km ou se 20km, talvez com maior desnível, chegariam. Falava-se de Maratonas, provas de 50 e 100km. Na mesa ao lado, reparei que ouviam a conversa, quiçá interrogando-se quem são o tipo de pessoas que falam de correr distâncias que podem bem corresponder a um passeio de carro. Quem são estas pessoas que correm 50km e porque é que raio alguém haveria de querer correr tal distância.
Eu compreendo. No meu último treino, de 8km, também me interroguei quem é que corre 50km e porque é que raio alguém haveria de querer correr tal distância... :) (Sim, foi um treino "daqueles" que bem sabemos...)
Quando completei os meus primeiros 10km, a Meia Maratona parecia-me uma coisa tão assustadora e absurda (no meu último treino, de 8km, os 21km também me pareciam uma ideia assustadora e absurda) e agora dou por mim a perguntar se um treino de 20km é "suficiente".

Queria ter em mim a confiança que tenho nos quilómetros.

Este ano gostava de chegar a Arga e fazer melhor tempo que o ano passado. Pronto, está escrito. Claro que, para isso, o percurso teria de ser o mesmo. O ano passado fiz uns segundos abaixo das 10h20.
Mas agora a questão é: se bem se recordam, o ano passado preparei-me melhor. Ele eram treinos de rampas, subidas, escadas... tudo para não desfalecer naquela que seria a minha segunda Ultra, e com uma diferença de mais de 1000 de acumulado positivo em relação à primeira (UTML), com a mesma distância. Estava focada e motivada. Este ano... este ano nem tanto. A vida meteu-se no caminho e os treinos não têm sido os ideais, e Setembro parece-me que irá ser igual. A única coisa que tenho a meu favor agora é a experiência de já ter corrido a distância várias vezes, algumas com desnível semelhante ou maior, e também já conhecer o percurso. Só que a mente não está onde devia estar, o que é uma trampa, porque a resistência mental é a minha melhor força...
No entanto, nada de desculpas. Fica aqui este objectivo declarado, não me deixem depois vir com queixinhas e choradinhos com o aproximar da data!

Assim sendo, e uma vez que o objectivo de concluir dentro do tempo limite é concretizável (a não ser que aconteça uma hecatombe, ou heCUTombe... Nunca confiando.):
1ª meta - terminar abaixo das 10h20, de preferência ainda a amar a vida e a corrida.
2ª meta, se os astros, a montanha e as rochas se alinhassem numa conjuntura perfeita - baixar das 10h. (Aviso: este segundo desejo é só para meter pressão e deixar de ser xoninhas, não é realista na fase actual e não pode ser usado contra mim de futuro.)

Faltam apenas três semanas, o que já não deixa muito tempo para grandes treinos, mas é este o meu auto-desafio. (E as saudades que já tenho daquela Serra??! )

Bom fim-de-semana!

1 de setembro de 2015

Kms de Agosto

Contagens do mês de Agosto

- Distância: 180.6 km  ( 14 actividades)

   . em estrada: 54.2
   . em trilhos: 126.4
- Horas a correr: 28:08:46
- Ganho de elevação total: 3923 metros

(Total ano: 1576,6 km)

Kms a pedalar: 32.5 (3 actividades)

O mês de Agosto começou com a minha primeira directa de corrida, no Ultra Trail Nocturno da Lagoa de Óbidos . Depois disso parti para as montanhas onde, apesar da tentação, resolvi tirar uns dias de folga. Fiz várias caminhadas, mas apenas uma corrida, por opção.
Depois, com tempo livre, voltei aos meus treinos favoritos, na minha serra e mar, razão pela qual 126 dos 180 km corridos este mês foram feitos em trilhos.

Sempre à procura da melhor vista. (Peninha)

Sabia à partida que este seria um mês com poucos quilómetros, só não sabia como situações extra-corrida me iriam deixar um bocado desanimada e desmotivada para correr, afectando aquele que queria que fosse o meu regresso activo. Mas faz parte e, se nem sempre podemos correr felizes, ao menos sabemos que correr nos vai deixar menos tristes. Sobretudo, para mim, se for no meio da natureza.
Por isso tenho aproveitado estes treinos da melhor forma que posso, gastando os últimos cartuchos do Verão. Com o pensamento em Arga, tenho também aproveitado para me mandar às subidas de forma destemida e com garra...

Ou não... :)

Para dizer a verdade, o espírito guerreiro e "competitivo" anda em falta, mas são fases. Setembro é um dos meus meses favoritos e, embora este ano vá ser difícil dizer adeus a estas corridas regadas a mar (uma pessoa fica mal habituada!), já tenho saudades das manhãs enevoadas e dos finais de tarde frescos, a pisar folhas secas e relva húmida, do Outono.

Agosto seria também o mês que, por alternativa a menos treinos de corrida, faria mais quilómetros de bicicleta. Mas dois furos no espaço de uma semana, sendo que o último me apanhou desprevenida e me obrigou a fazer 1,5km à chuva (deve ter sido a única tarde de chuva que apanhei no mês inteiro, boa pontaria...), de bicicleta na mão, até casa, deixaram-me de relações temporariamente cortadas com a minha Blackie.
Acho que me vou dedicar ao reforço muscular... :)

Boa semana!