22 de dezembro de 2016

O desejo e a estrela


Lembram-se da Fonte dos Desejos?


Este ano, ela lá está novamente.

Apelidaram-na de Árvore dos Desejos, e não Fonte, mas, por detrás de uma fotografia nocturna de má qualidade, o processo do pedido do desejo mantêm-se.


Ao contrário dos outros anos, este ano sei exactamente o que pedir.


Aqui fica um resumo, por pontos, do que se tem passado por aqui nos últimos tempos.

1. Tenho corrido.
2. Tenho corrido, mas pouco.
3. Tenho corrido, mas pouco, e sem ânimo,

O ponto 1 é bom, o ponto 2 é - de tempos a temos - normal, porém, o ponto 3 é preocupante. Ao início, pensei que fosse uma ligeira depressão pós-OMD (afinal, tinha sido uma grande conquista e deixava-me com dúvidas em relação ao que se poderia seguir), mas, depois, ideias para futuras conquistas começaram a surgir, mas o ânimo para me dedicar a elas não.
2016 tem sido um ano de grandes mudanças para mim e, embora isso não seja sempre necessariamente mau, acho que o stress das incertezas começou a atingir-me. A corrida manteve-se como o fio condutor, permanente, que já é na minha vida há alguns anos mas, ao contrário das outras vezes, que era como uma lufada de ar fresco no meio do caos, agora era apenas algo que fazia. Porque sim. Porque já não sei fazer de outra maneira. Por outras palavras, tinha perdido o ânimo.

Foi apenas agora em Dezembro que decidi recorrer a "tratamentos de choque" da corrida. Entre eles, decidi participar numa prova com desnível considerável para quem andava a correr pouco mais do que uma vez por semana. O meu pensamento foi: ou vai ou racha. Depois conto-vos quão bem correu. (SPOILER: Ahahaha!)
Depois, e porque, por vezes, o melhor é tirar o foco de nós próprios e orientá-lo para os outros, para aprender a relativizar, fui fazer algo que já queria fazer há muito tempo mas ainda não tinha tido oportunidade: ser voluntária numa prova. Adorei a experiência! Essa crónica já está preparada e será a próxima a sair.

Entretanto, e porque agora devem andar ocupados com as festividades, aqui ficam os meus votos de saúde e paz, que o resto a gente corre atrás.

A Estrela de 2016.
(Ver estrelas de 2015 e 2014.)


Foi esse o meu desejo, enquanto dava os três nós na fonte: correr atrás*. Ânimo.


BOM NATAL!


* Se bem que, neste meio da corrida, correr à frente seria muito melhor. ;) Mas vocês entendem.